OS JUIZES do GOSTO.

05/04/2014 07:35

OS JUIZES do GOSTO.

A tirania do gosto sempre encontra um júri favorável e uma enxurrada de argumentos que reforçam  suas proprias normativas, cânones e paradigmas estéticos lisonjeiros favoráveis. Nada contra o sagrado direito de escolhas, de liberdade de gostar ou não gostar. Porém o problema começa quando um indivíduo,  um grupo ou estética imponderável se arvoram em juiz  onisciente, em onipotente, em onipresente e em eterno do gosto. ou estética a ser perigoso, O problema começa a tomar vulto - e atentar contra uma civilização - quando este indivíduo,  este grupo ou estética imponderável,  julgam terem descoberto  um campo estético vago a ser colonizado. Em  nome desta pseudo descoberta começam a patrulhá-lo, cerca-lo e se apropriar dele como  dono legítimo, único e perpétuo.  que julga e passível de imponderável.

As guerras mais cruéis, decisivas e globais são disparados pelo gatilho da sentença fatal “não gostei dele”. Este juízo desencadeia forças políticas, econômicas, simbólicas em série que tendem a se constituir em mito, ideologia ou até uma religião.

[Waldeny Elias (1931-2010).  O Julgamento. In Revista do Globo  ano XXIX -nº716- 17 05.1958 p. 85 I Salão PAN-AMERICANO  de ARTES]

 

Os grandes artistas produzem as suas obras guiados pelo que eles próprios são em si mesmos e as suas circunstâncias. Não impõem, nem para si mesmos,  normativas, cânones e paradigmas estéticos provenientes do que eles descobriram no dia anterior.

Carlos Oswald (1882-1971), mestre de Ado Malagoli e de Fayga Ostrower (1920-2001), traduziu a teleologia que anima o artista e alimenta a sua autonomia m relação à si mesmo. “Consolo-me com a seguinte frase de Degas: ‘Hereusement que moi, je n’ai pas trouvé ma manière; ce que m’embêterais !’.  É isso mesmo: eu não tenho maneira, eu vou fazendo o que quero, sempre mudando e isso  me interessa. Tanto os acadêmicos como os modernistas veem a arte em si e a consideram como fim em si mesma. A arte deve ter um “fim”, além de sua técnica e se o “fim” for superior, isto é social ou religioso, então estas palavras: maneira, técnica, impressionismo, academicismo, cubismo, etc., desaparecem. Só fica a “ideia”, o apagamento da alma que sente não vê os meios que a fazem sentir” .(in Monteiro, 2000  p. 191).  

MONTEIRO, Maria  Isabel Oswald. Carlos Oswald (1882-1971): pintor da luz e dos           reflexos. Rio de Janeiro: Casa Jorge, 2000. 229 p..

Contato

Poder Originário

prof.cirio.simon@gmail.com

Travessa PEDRO AMÈRICO nº 28 ap.11
Bairro São João - PORTO ALEGRE -RS
90.550-100

SEM TELEFONE

Pesquisar no site

© 2013 Todos os direitos reservados.

Crie um site grátisWebnode