O SORRISO e o CINTURÃO

02/04/2014 07:26

O SORRISO e o CINTURÃO

O Golpe de 1964 foi a típica materialização do SORRISO da democracia nos lábios e o CINTURÃO na mão. O CINTURÃO foi descrito por Pedro Luiz Pereira de Souza, - neto do presidente Washington Luís Pereira de Souza (1869-1957). Ele resenhou a truculência do CINTURÃO do Golpe de 1964 nos umbrais da ditadura no Brasil ao lembrar (1996, p. 101) que “em 15 de abril assumiu a Presidência o marechal Castello Branco, eleito indiretamente no dia 11 pelo Congresso já parcialmente expurgado das esquerdas. No mesmo dia o presidente aplicou os dispositivos do Ato Institucional, ainda sem número, instrumento jurídico  punitivo que ao fim do ano, apresentou o seguinte balanço: 1 - Suspensão dos direitos políticos por dez anos de 378 pessoas, entre elas os ex-presidentes da República, Juscelino Kubitschek, Jânio Quadros e João Goulart, e 55 membros do Congresso. 2 - Demissão de 10  mil funcionários  públicos e cerca de 5 mil pessoas sob investigação policial-militar. 3 - Apenas em São Paulo o DOPS, aprendera 24.607 livros de 25 autores diferentes e considerados comunistas. 4 - Uma Comissão Geral de Investigação vasculhava o país à procura de corruptos e subversivos. 5- As prisões na Guanabara ficaram tão cheias que dois navios foram transformados em presídios provisórios. A  nova ordem assustou,  mas não inibiu, tanto as atividades culturais como o movimento estudantil”.

 SOUZA[1], Pedro Luiz Pereira de.  ESDI: biografia de uma idéia. Rio de Janeiro : EdUERJ, 1996.  336p

Muitos  lembram apenas dos ANOS de CHUMBO GROSSO da ditadura no Brasil de 1968, mas esquecem o CINTURÃO de 1964



 [1] - Pedro Luiz Pereira de Souza – Neto do presidente  Washinton LUIS Paulista de Araraquara, em 1968  optou pelo Rio de Janeiro. Formou-se em Desenho Industrial pela ESDI, Escola Superior de Desenho Industrial da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, onde ensina desde 1972. Ainda estudante trabalhou com o designer Karl Heinz Bergmiller, iniciando uma colaboração que dura até hoje. De 1972 até 1986 integrou o IDI/MAM, Instituto de Desenho Industrial do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Em 1977 passou a coordenador associado do IDI/MAM, juntamente com Bergmiller. Nesse período participou do desenvolvimento de pesquisas e projetos para o Ministério da Indústria e do Comércio e para o Ministério da Educação e Cultura, entre eles o Manual para planejamento de embalagens e Móvel escolar, Móvel pré-escolar e Móvel para escolas da zona rural do Nordeste. Trabalhou para diversas empresas privadas em projetos de produto, particularmente na área de mobiliário e interiores. Entre essas empresas encontram-se a Brasilpar, Unibanco, Brazil-Warrant e Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração.Em 1980 foi convidado para estruturar uma nova escola de design, a Faculdade de Desenho Industrial Silva e Souza, dirigindo-a de 1981 até 1986. Retornou à ESDI, sendo eleito seu diretor em 1988, por unanimidade, cargo exercido até 1992. Continua exercendo o ensino na ESDI como professor de projeto de produto. Há 25 anos realiza trabalhos de pesquisa e reflexão teórica sobre design, tendo publicado diversos trabalhos e artigos. O mais recente é o livro ESDI: Biografia de uma Idéia.        Ricardo Ohtake

 

 

Contato

Poder Originário

prof.cirio.simon@gmail.com

Travessa PEDRO AMÈRICO nº 28 ap.11
Bairro São João - PORTO ALEGRE -RS
90.550-100

SEM TELEFONE

Pesquisar no site

© 2013 Todos os direitos reservados.

Crie um site grátisWebnode