ÍCARO

18/02/2015 06:41

AS ASAS de ÌCARO.

As asas de cera de Ícaro são uma metáfora da distância do sonho e do pensamento humano e a sua realização concreta no mundo real.

A criatura humana é origem do pensamento, do ideal e do sonho que sempre se originam no aqui e no agora. A criatura humana é o criador de civilizações, de culturas, de estados e de instituições.

O pensamento, o ideal e do sonho da criatura humana, que lhes deu origem,  permanecem  nas instituições, nas culturas e nos estados. Esta permanência e eficácia do objeto físico, escrita, imagem ou tradição oral que necessita um suporte sensível humano que seja eficiente para enfrentar e atravessar o TEMPO para entregar a sua mensagem de sua origem. Assim permanecem no TEMPO na medida do seu suporte oral, escrito ou material. Permanecem na forma de um objeto físico sensível aos sentidos das novas gerações.

O plágio, o embuste e a mentira corrompem esta mensagem no TEMPO. Mentira que perdeu, corrompeu, mitificou ou naturalizou o objeto físico sensível aos sentidos e pretensamente destinado para as novas gerações.

A “MENTIRA que é a VERDADE que deixou de ACONTECER” -  na versão do poeta Mario Quintana - não justifica o plágio, o embuste e erro fatal por mais altos que sejam os “SONHOS de ÌCARO”.

http://amanhecendoboasideias.blogspot.com.br/2012/03/o-fauno-lunar.html

ÍCARO: mitologia

http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%8Dcaro

http://www.revolucaointerior.com.br/mitologia/o-mito-de-icaro/

http://amanhecendoboasideias.blogspot.com.br/2012/03/o-fauno-lunar.html

 

O GALINHEIRO dos OVOS FABERGÉ – Elio GASPARI

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/eliogaspari/2015/02/1591014-o-galinheiro-de-ovos-faberge.shtml

 

IMAGEM:  Lucílio  ALBUQUERQUE (18877-1930) – O despertar de Ícaro - 1910- óleo sobre tela 146 x 204 cm . MNBA

 

Contato

Poder Originário

prof.cirio.simon@gmail.com

Travessa PEDRO AMÈRICO nº 28 ap.11
Bairro São João - PORTO ALEGRE -RS
90.550-100

SEM TELEFONE

Pesquisar no site

© 2013 Todos os direitos reservados.

Crie um site grátisWebnode