A HISTÓRIA NÃO É LIXEIRA.

08/07/2014 20:12

A HISTÓRIA NÃO É LIXEIRA.

http://naofoinogrito.blogspot.com.br/2014/07/nao-foi-no-grito-096.html

Ninguém consegue libertar a História indígena, africana e do imigrante brasileiro do interior de uma cápsula hermeticamente fechada  e ameaçada de torna-se lixo. Em tempo de obsolescência programada e  de descarte generalizado o dia anterior - e o passado em geral -  entram na categoria do obsoleto, do inútil - senão como algo ameaçador . O historiador passa a ser percebido e tratado como o catador de lixo para esta mentalidade consumista. Para esta mentalidade a única função do passado é mostrar como o EU do presente é superior. Este EU julga se onipotente, onisciente, onipresente e eterno, pois ele está VIVO e TRIUNFANTE e o passado está MORTO e INÚTIL. Assim o passado é reificado, torna-se COISA e como objeto pode ser ridicularizado, desqualificado e descartado, na hora e na forma que interessa este mortal vivo e idiota. Idiota que não percebe que ele próprio é parte deste processo e que portanto nada entende do dia do hoje e do presente.  Marc Bloch esclarecia e distinguia (1976: 4.).

“É tal a força da solidariedade das épocas que os laços da inteligibilidade entre elas se tecem verdadeiramente nos dois sentidos. A incompreensão do presente nasce fatalmente da ignorância do passado. Mas talvez não seja mais útil esforçar-nos por compreender o passado se nada sabemos do presente” .

BLOCH, Marc (1886-1944)  . Introdução à História.[3ª ed] Conclusão de Lucian FEBVRE - .Lisboa :Europa- América  1976  179 p

Contato

Poder Originário

prof.cirio.simon@gmail.com

Travessa PEDRO AMÈRICO nº 28 ap.11
Bairro São João - PORTO ALEGRE -RS
90.550-100

SEM TELEFONE

Pesquisar no site

© 2013 Todos os direitos reservados.

Crie um site grátisWebnode