A ARTE EXCLUÍDA da POLIS LEGIFERANTE de PLATÂO.

26/04/2014 07:17

A ARTE EXCLUÍDA da POLIS LEGIFERANTE de PLATÂO.

Platão colocou a Arte para fora da polis que ele concebia comanda pelas suas leis de tirano.  Ele mesmo explica a raiz do seu pensamento envenenado com a cicuta de tirano legislador.

“Veríamos desaparecer completamente todas as artes, sem esperança alguma de retorno, sufocada por esta lei que proíbe toda pesquisa. E a vida que já é bastante penosa, tornar-se-ia então totalmente insuportável” (Platão, Diálogos, 1991, p.417)

Portanto nem Arte nem o artista tinham lugar na sua Academia.

Certamente Platão (428-349ª. C) tinha em mente o comportamento do seu contemporâneo Diógenes (412-323 a. C) com a sua absoluta capacidade de seguir leis e de respeitar seus  formalismos.

[ A Academia de Platão – mosaico de Pompeia – Museu de Nápoles]

No extremo devemos a Platão a distinção dos limites e das competências entre leis, artistas e a cidade. Ao mesmo tempo a urgência em construir pontes entre a cidade, os artistas e as leis. Leis sempre precárias, artificiais com pontes fortemente policiadas, controladas e com grandes pedágios.

Mas isto era demais para um raciocínio, unívoco e linear de um apologista de uma tirania iluminada e idealista como a de Platão. Era bem mais simples e conveniente silenciar a oposição democrática e colocá-la para fora dos muros da cidade.

 

PLATÃO ( 427-347) DIÁLOGOS – (5ª ed.) São Paulo : Nova Cultural, 1991 – (Os pensadores)

http://pt.scribd.com/doc/12868010/Colecao-Os-Pensadores-Platao

Contato

Poder Originário

prof.cirio.simon@gmail.com

Travessa PEDRO AMÈRICO nº 28 ap.11
Bairro São João - PORTO ALEGRE -RS
90.550-100

SEM TELEFONE

Pesquisar no site

© 2013 Todos os direitos reservados.

Crie um site grátisWebnode